Carnival anuncia cruzeiro de Miami para Cuba

Depois de meio século, os EUA autorizaram o serviço de cruzeiros a voltar a operar rotas entre o país e Cuba. A medida, que faz parte do pacote anunciado pelo presidente Barack Obama já empolgou as companhias que operam no ramo e a Carnival, uma das maiores do mundo, anunciou que já recebeu autorização para comercializar a rota. Ainda falta o OK final das autoridades cubanas para receber o navio e os passageiros vindo da terra do Tio Sam, mas isto não deverá sem um problema.

Segundo comunicado da companhia marítima, o plano é começar uma rota em Maio de 2016 entre o porto de Miami e o de Havana. O navio será o MV Adonia, que comporta 710 passageiros e é um dos mais novos da frota. Cassino, aulas de espanhol, shows inspirados na Broadway e até workshops de artesanato estão incluídos na programação. Segundo as regras ainda em vigor, americanos não podem viajar a turismo para Cuba, mas é possível ir com outras credenciais e, no caso de cruzeiros, a companhia se responsabiliza pelos tours dos passageiros em solo cubano, o que acaba incluindo a categoria na lista de permissões atuais. Segundo estimativas de especialistas no setor, a ideia pode transportar até 1.200 pessoas todas as semanas e o navio da Carnival tem capacidade para ancorar até nos portos mais rasos de Cuba. Além disso, existem planos para estender o cruzeiro com uma parada na Jamaica, o que atrairia ainda mais os passageiros.

carnival-breeze-2

Cuba recebeu mais de 3 milhões de visitantes no ano passado vindos principalmente do Canadá, Europa e América Latina e suas praias e cenários paradisíacos, junto com o povo alegre e que adora festas e música latina são o grande destaque para quem procura férias praianas. A estimativa é que 2.7 milhões de americanos viajem pela primeira vez para Cuba até 2017. Na semana passada, a concorrente da Carnival, MSC Cruises, anunciou que o navio MSC Opera iniciará em Dezembro deste ano um cruzeiro de inverno passando por Jamaica, Ilhas Cayman e México, numa viagem de 7 dias, que pode ver ganhar Havana como um dos portos, aproveitando a queda do embargo e o potencial turístico da região.

Boas notícias para quem gosta de viajar e por um mundo um pouco mais aberto e sem fronteiras virtuais ou militares.